Home
Como parar de Fumar

Artigos

Parar de Fumar

PARAR DE FUMAR

Olá, sou Dra Jaqueline Scholz.- CRM 60.179 SP. Diretora do Programa de Tratamento do Tabagismo do INCOR (Hospital das Clínicas da USP), criadora do Programa de Assistência ao Fumante PAF, autora de livros e artigos sobre tabagismo. Acesse Curriculo lattes

Depois de tratar mais de 7000 fumantes ao longo de 23 anos, gostaria de dizer aos  fumantes, que para conseguir parar de fumar sem sofrer, basta tomar a decisão de procurar por tratamento médico adequado. Não precisa de força de vontade, precisa de boa vontade.

DEIXAR DE FUMAR  - TRATAMENTO DO TABAGISMO

Tabagismo antes de qualquer coisa é uma doença. Não é doença do comportamento, ou hábito de vida. É doença do cérebro, com mais de 5 circuitos cerebrais envolvidos. Mudança comportamental não pode ser o único alicerce da interrupção. Estas tentativas frustram a maioria dos fumantes, e é um fator que atrasa a interrupção precoce do tabagismo. O fumante fica com a falsa idéia que o problema é só dele, e que ele tem que resolver sozinho. Quando do tiver a tal força de vontade, que às vezes nunca aparece, ou quando aparece, já se foram 30, 40 ou 50 anos de cigarro, e,  se perde um tempo precioso para prevenção de doenças provocadas pelo cigarro, charuto, cigarrilha, cachimbo.

Ninguém manda um diabético se tratar sozinho , ou mesmo um hipertenso. A idéia é que o fumante seja avaliado pelo médico e este elabore a estratégia terapêutica, que pode envolver muito mais que abordagem comportamental, que é  somente a ponta do iceberg.

O acompanhamento médico (4 a 5 consultas) e o uso de medicação para  tratamento tabagismo aumentam  em 3 a 5 vezes chance de parar de fumar (evidência A), e reduz chance de recaída precoce  e ganho de peso.


A tratamento atual do tabagismo prevê o uso da terapia escalonada que  é a introdução gradual dos medicamentos, como se faz para tratar quem tem pressão alta, com a diferença que o paciente toma medicação por um período de 3 a 4 meses e depois são suspensos os remédios antitabaco. Nas duas doenças os pacientes são classificados em leve, moderado e grave. Na medida em que a doença é mais grave, mais medicação é necessária. Doença mais leve, às vezes, só a mudança no estilo de vida já  resolve.

Venha se tratar com a equipe PAF - PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA AO FUMANTE Agende sua consulta.

Dra Jaqueline Scholz